JORNADA DA LIBERDADE

Joanesburgo, Gauteng, South Africa
É responsabilidade da rede hoteleira e de cada propriedade individual verificar a exatidão das fotografias mostradas. A mundoo não se responsabiliza pelas imagens.
Como é a experiência?
Descrição

Na bandeira da África do Sul, o “Y” na horizontal tem um importante significado simbólico. Ele representa brancos e negros que, com o fim do apartheid, passaram a caminhar juntos. Esse era o principal ideal pregado na Carta da Liberdade, documento escrito em 1955 por aqueles que se opunham ao regime segregacionista.

O texto foi elaborado em Kliptown, nossa primeira parada, mas antes que aqueles ideais se tornassem o pilar da Constituição da África do Sul, muitos negros se viram forçados a organizar reuniões secretas. Em Joanesburgo, boa parte delas acontecia dentro da Regina Mundi Church, que nós visitaremos em seguida.

Também foi para essa igreja que muitos estudantes correram da polícia durante a manifestação de 1976, o que nos leva para a próxima visita, o Hector Pieterson Museum. Enquanto protestavam contra a péssima educação oferecida nas escolas para negros, diversos jovens foram atingidos por tiros da polícia e 176 foram mortos. O caso está eternizado nesse museu multimídia e, felizmente, já faz parte do passado graças aos esforços de nomes como o de Nelson Mandela, cuja casa visitaremos.

Após uma pausa para o almoço, encerraremos o dia no Apartheid Museum, que sintetiza toda essa história. Logo na porta do museu, observe o que está escrito no seu bilhete de entrada: ele vai indicar, aleatoriamente, se você deve entrar pelo portão destinado aos brancos ou se pelo o dos não-brancos. Esse “pequeno” detalhe, que hoje soa como absurdo, é o primeiro dos muitos impactos que os visitantes vão ter na exposição, que conta em ordem cronológica a ascensão e queda do governo racista.


 É imperdível porque...
• Verdadeira aula de história a céu aberto, o bairro de Soweto nos transporta para a vida dos sul-africanos durante o regime segregacionista

• A Regina Mundi Church e o Hector Pieterson Museum levam a inevitável reflexão do que era viver em uma sociedade baseada na discriminação

• O Museu do Apartheid é hoje uma das paradas obrigatórias em Joanesburgo, garantindo uma experiência marcante aos visitantes

Duração e hora de início

1 Dia(s) (08:30)

O que você precisa saber:

Inclui:
• Guia
• Transporte

Não inclui:
• Almoço
• Serviços não especificados

Informações adicionais:

Idioma – Inglês
Ponto de partida – Hotéis em Sandton, Rosebank e Melrose Arch
Horário de saída – Entre 08h30 e 09h10
Nível de dificuldade – Fácil; não acessível para cadeirantes

 Quando
Ano todo